O mercado de M&A no Brasil em 2020

Por Andre Bueno

image

O mercado de M&A iniciou 2020 com ótimas expectativas, impulsionado também pelas previsões do governo Brasileiro no que se referia ao crescimento do PIB a ser alcançado no final do ano, que chegou a ser de 2,2%.

Porém, o havia um fator que nenhum mercado, ou especialista havia considerado, o efeito devastador que a pandemia, originada na cidade de Wuhan na China, teria sobre a economia global, desacelerando todo o movimento econômico no planeta.

Os setores mais atingidos no Brasil pela crise seriam Manufatura, Transportes e automotivo, Consumo e Serviços Financeiros. Por outro lado, os setores de Telecomunicações, Mídia e entretenimento, Life Sciences, Construção e Imóveis podem ser menos afetados pela crise, em âmbito nacional.

Depois de um ano bastante agitado para o mercado M&A no Brasil com uma alta de mais de 40%, grande parte das negociações foram suspensas, diante dos impactos provocados pelo coronavírus. Um fator que pode ter contribuído para isso é o fato de, com as medidas de isolamento social, impede-se um dos fatores mais importantes do M&A, principalmente no middle market, que são as reuniões olho-no-olho para negociações, visitas às instalações da potencial empresa que receberá investimentos para ter sensibilidade da operação, conhecer melhor seu parceiro de negócio, dentre outros aspectos. O mundo virtual e a conexão remota trouxeram muitas vantagens, mas este componente ainda é muito importante para uma decisão de investimento.

Possivelmente, parte destas incertezas deverão perdurar por muito meses, sendo impossível prever o que pode acontecer e qual seria a queda na atividade de M&A neste ano. Por outro lado, podemos ter uma via alternativa em que empresas que pretendiam fazer captações via abertura de capital (IPOs) neste ano, podem ter interesse em entrar em um processo de M&A, acelerando a capitalização. Estas empresas estavam se preparando para fazer o IPO em 2020 e possivelmente só deverão retomar o processo em meados de 2021 e certamente muitas delas não podem esperar todo este tempo e terão que buscar alternativas.

Olhando para o mercado de empresas de médio porte, mesmo que as organizações se beneficiem das medidas anunciadas recentemente pelo Governo Federal, isto pode não ser suficiente para a sobrevivência e saúde do negócio. Este fator poderá abrir também uma janela de oportunidades de M&A, quer seja na venda parcial ou total de um negócio. Certamente haverá investidores interessados em alocar capital em setores que estejam alinhados com sua estratégia e, possivelmente a preços e condições atrativos.

Haverá também um movimento interessante de transações de ativos problemáticos (Distress M&A), que fundos especializados já observam há algum tempo, como forma de também socorrer negócios e fomentar a economia.

Passados alguns meses do início da pandemia do novo coronavírus, os efeitos da propagação do vírus pelo mundo já atingem de forma intensa a economia. Líderes empresariais tentam entender como a economia se levantará no pós-crise e já planejam aquisições para os próximos 12 meses, uma forma de antecipar as necessidades que virão no pós-crise a partir de oportunidade de investimento no mercado, a preços atrativos.

Por outro lado, se tudo correr bem temos a expectativa da recuperação das atividades de M&A possivelmente no último trimestre deste ano, mas as empresas têm que estar preparadas para este movimento.

Após um período de calmaria e cautela, o telefone voltou a tocar nas butiques financeiras e bancos de investimentos. São gestores e analistas de fundos de private equity, em busca de carteiras de ativos para potenciais aquisições.

Ainda que não exista muito otimismo no mercado local, onde se espera que o PIB de 2020 seja uma retração de cerca de 3,3%, enxergamos boas oportunidades e que, com o preço certo, momento certo, investidores poderão encontrar boas oportunidades no Brasil, impressão confirmada pelo movimento que enxergamos pelos gestores de fundos de private equity.

Quem estiver preparado e for resiliente irá se beneficiar do movimento de retomada do mercado pós efeito da pandemia.

Andre Bueno é Sócio de Transações da HLB Brasil.

Andre Bueno

Sócio de Transaction Advisory Services

Email

Entre em contato!

Qualquer dúvida, estamos à disposição para ajudá-lo.

Contate-nos
Entre em contato
x
x

Share to:

Copy link:

Copied to clipboard Copy